Lubrificação: Dicas gerais

Qual o nível correto do óleo no carro?

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, o nível correto se encontra entre os dois traços e não só no traço superior. Se o óleo fica abaixo do mínimo da vareta, o motor pode ser prejudicado por falta de lubrificação. No entanto, se o óleo fica acima do máximo da vareta, haverá aumento de pressão no cárter, podendo ocorrer vazamento e até ruptura de bielas, além do óleo em excesso ser queimado na câmara de combustão sujando as velas e as válvulas, danificando também o catalisador no sistema de descarga do veículo.

Quando devo completar o nível de óleo?

Quando se verifica que o nível de óleo do carro baixou, é necessário procurar a razão deste evento. Se constatado um vazamento de óleo, deve-se verificar a origem deste vazamento e corrigi-la o mais cedo possível para evitar próximos vazamentos. O nível de óleo do carro pode baixar também por ele estar sendo queimado junto com a gasolina no motor. Isso se deve principalmente às folgas do motor. Neste caso, enquanto não chega a hora de trocar o óleo, deve-se ir completando o nível.

Quando devo trocar o óleo do carro?

Quando atingir o período de troca recomendado pelo fabricante do veículo que consta do “Manual do Proprietário”, ou antes, caso o motorista assim desejar. Os atuais fabricantes de motores vêm recomendando períodos de troca cada vez maiores, dependendo do tipo de serviço e da manutenção do carro.

Por que trocar o óleo dentro dos intervalos adequados?

A medida que o carro é utilizado, a quantidade de impurezas e contaminantes que constam no óleo vão aumentando. Como a combustão ocorre continuamente no motor, os resíduos formados por esta combustão também são formados de modo contínuo.

Qual o período de troca do filtro de óleo?

O período de troca do filtro de óleo é recomendado pelo Manual do Proprietário do Veículo. Normalmente, a troca do filtro de óleo é feita a cada duas trocas de óleo. Porém, alguns fabricantes recomendam a troca de filtro a cada troca de óleo. O óleo carrega as impurezas que iriam se depositar no motor. Com a ação do filtro, as impurezas maiores são retidas e as menores ficam em suspensão no óleo. Após um período, ocorre a saturação do filtro, dificultando a passagem do óleo, podendo causar falhas na lubrificação, que vão até o bloqueio total do filtro, podendo causar danos ao motor.

A cor do óleo influi na qualidade? O óleo escuro é mais viscoso?

Os óleos lubrificantes são formados pela mistura de óleos básicos e aditivos. Dessa forma, a cor final do produto estará diretamente ligada à cor do óleo básico e dos aditivos empregados na formulação e não influi na qualidade do produto final e nem no desempenho do óleo. O conceito de que o óleo escuro é mais viscoso não é verdadeiro. Pode-se ter um óleo claro mais viscoso (grosso) que um óleo escuro.

Escuto dizer que óleo bom é aquele que não baixa o nível e não precisa de reposição. Isto é verdade?

Não. A boa lubrificação é aquela em que o óleo lubrifica até o anel do pistão mais próximo da câmara de combustão onde esse óleo é parcialmente queimado, sendo consumido. É normal um consumo de meio litro de óleo a cada mil quilômetros rodados, com carros de passeio, mas cada fabricante de motor especifica um consumo normal para seu motor, de acordo com o projeto. É bom ressaltar que carro novo consome óleo.

É verdade que o óleo de motor deve ser claro e o óleo de engrenagem escuro?

É comum se ter esta opinião, no entanto ela não é correta. Os óleos lubrificantes são formulados misturando-se básicos e aditivos e a sua cor final dependerá da cor do básico e do aditivo que forem empregados na sua formulação. Além disso, a cor não tem nenhuma influência no desempenho do óleo.

O filtro de óleo também deve ser trocado? Quando?

Sim. O óleo, com seus aditivos detergentes/dispersantes, carrega as sujeiras que iriam se depositar no motor. Ao passar pelo filtro, as impurezas maiores ficam retidas e as menores continuam em suspensão no óleo. Chega um momento em que o filtro, carregado de sujeira, dificulta a passagem do óleo podendo causar falhas na lubrificação. A situação se agrava quando ocorre o bloqueio total do filtro de óleo, o que pode causar sérios danos ao motor. O período de troca do filtro de óleo também é recomendado pelo fabricante do veículo e consta do “Manual do Proprietário”. Normalmente, ela é feita a cada duas trocas de óleo. Porém, já existem fabricantes que recomendam a troca do filtro a cada troca do óleo.

Um carro antigo também pode usar um óleo de última geração, como por exemplo o Fórmula Uni SL, Fórmula Tech ou Fórmula Synth?

Sim. Você pode usar um óleo que possua um nível de desempenho superior ao recomendado pelo fabricante para seu motor. O inverso é que não é recomendado. No entanto, recomenda-se que, ao colocar este óleo superior, você realize a troca do filtro de óleo e repita esta operação, em um intervalo menor do que o indicado pelo fabricante. Isto se deve ao fato de que os óleos mais avançados limpam mais o motor e desta forma tendem a obstruir o filtro em um período mais curto. Após este procedimento ser realizado, você pode voltar a seguir os períodos de troca usuais e garantir uma melhor lubrificação do seu veículo.

Qual a diferença entre o óleo mineral, semi-sintético e sintético? Eles podem ser misturados?

O lubrificante é composto por óleos básicos e aditivos. Sua função no motor é lubrificar, evitar o contato entre as superfícies metálicas e refrigerar, independentemente de ser mineral ou sintético. A diferença está no processo de obtenção dos óleos básicos. Os óleos minerais são obtidos da separação de componentes do petróleo, sendo uma mistura de vários compostos. Os óleos sintéticos são obtidos por reação química, havendo assim maior controle em sua fabricação, permitindo a obtenção de vários tipos de cadeia molecular, com diferenças características físico-químicas e por isso são produtos mais puros. Os óleos semi-sintéticos ou de base sintética, empregam mistura em proporções variáveis de básicos minerais e sintéticos, buscando reunir as melhores propriedades de cada tipo, associando a otimização de custo, uma vez que as matérias-primas sintéticas possuem custo muito elevado. Não é recomendado misturar óleos minerais com sintéticos, principalmente de empresas diferentes. Seus óleos básicos apresentam naturezas químicas diferentes e a mistura pode comprometer o desempenho de sua aditivação, podendo gerar depósitos. Além disso, não é economicamente vantajoso, já que o óleo sintético é muito mais caro que o mineral e a mistura dos dois equivale praticamente ao óleo mineral, sendo, portanto, um desperdício. Uma dica interessante se refere à troca de óleo mineral por sintético. É importante trocar o filtro de óleo junto com a primeira carga de sintético e trocar esta carga no período normal de troca do veículo em função da sua utilização.

Quais são as causas da borra em motores?

Os problemas de presença de borra em motores são decorrentes principalmente dos seguintes fatores:

a) Uso do óleo lubrificante incorreto no motor – Geralmente quando se utiliza um lubrificante com nível de desempenho inferior ao recomendado pelo fabricante do veículo. Mesmo reduzindo o período de troca, pode haver problemas de formação de borra devido ao envelhecimento (oxidação) precoce do lubrificante;
b) Uso de aditivação extra – Não é recomendado o uso de aditivação suplementar de desempenho em óleos lubrificantes. Os óleos lubrificantes de qualidade (boa procedência) já possuem, de forma balanceada, todos os aditivos para que seja cumprido o nível de desempenho ao qual foi desenvolvido. Não há testes padronizados que avaliem o desempenho de mistura de óleos com aditivos extras. Pode haver incompatibilidade entre o óleo lubrificante e a aditivação suplementar e a borra é uma conseqüência deste problema;
c) Combustíveis adulterados – O uso de gasolina adulterada pode gerar borra no cárter. O óleo lubrificante é contaminado por subprodutos da queima do combustível durante sua vida útil. Essa contaminação ocorre e faz parte da operação do motor. Mas se o combustível for adulterado estes subprodutos serão de natureza diferente e resíduos com aspecto de resina poderão se formar no motor, aumentando a probabilidade da formação de borra, entupindo passagens de óleo e prejudicando a lubrificação e refrigeração interna do motor;
d) Extensão do período de troca – Mesmo utilizando o óleo correto e combustível de qualidade assegurada, períodos de troca além do recomendado podem levar à formação de borra, devido ao excesso de contaminação e de oxidação do lubrificante. Nos manuais dos veículos há a informação dos quilômetros recomendados para cada intervalo de troca. É importante diferenciar o tipo de serviço do veículo. Para carros de passeio, valores como 10.000, 15.000 e 20.000Km geralmente fazem referência a serviço leve (uso rodoviário). Mas na maioria dos casos o serviço é severo (uso urbano do tipo anda e pára, distâncias curtas) e o período adotado para a troca deve ser a metade (5.000, 7.500 ou 10.000Km, respectivamente). Essa informação não está clara em todos os manuais e se não for observada com atenção, problemas de borra podem ocorrer.

Produtos de marcas diferentes podem ser misturados?

A melhor alternativa é não fazer a mistura de produtos de diferentes marcas. Porém, em casos de extrema necessidade, deve-se tomar o cuidado de misturar os produtos com mesma classificação de viscosidade SAE e mesma classificação de desempenho API.

Se eu utilizo o óleo BR Extra Turbo, posso substituir pelo Multimax Super 15W40?

Sim. O óleo Multimax Super 15W40 pode substituir o Extra Turbo, por exemplo, que não haverá problemas.

Nossas unidades

R. Senegália, 181
Colombo – PR
83413-250

(41) 2106-7700

Rod. Washington Luiz, 20270
Duque de Caxias – RJ
25251-745

(21) 2103-4400

R. Frederico Augusto Ritter, 4901
Cachoeirinha – RS
94931-001

(51) 3393-0263